Marcelo não contatou uma viúva ucraniana “sem exceção”, mas falou com Costa

O presidente afirma não ter contactado a viúva de um ucraniano assassinado por três inspectores do Departamento de Estrangeiros e Fronteiras porque entendeu que “não devia ser excluído” quando “a investigação criminal estava em curso”. Mas falou “inúmeras vezes” com Antonio Costa sobre o assunto. Ele disse em uma entrevista que existe um direito em construção e admitiu instalar um governo apoiado por Shiga.

Marcelo Rebelo de Souza falava em entrevista à SIC, sexta-feira à noite, onde lhe perguntaram porque não tinha enviado uma nota de condolências à viúva desse cidadão e enfrentou a discrepância entre o facto de ter escrito notas de remorso sobre David Bowie ou sobre Prince e o silêncio neste caso SEF.

Em Belém, o Presidente e o Candidato responderam em janeiro: “Sempre tomei posição de não intervir quando há um processo criminal em andamento” e “Entendi que não deveria ser excluído e entrar em contato com a Ucrânia”. Ele insistiu que “quando há um processo criminal, eu não falo sobre ele em público ou em segredo”, frisando que não entra em contato com as vítimas ou seus familiares.

Falado ‘inúmeras vezes’ para a Costa

“Havia um grande problema que era a reforma global do SEF, que discuti com o primeiro-ministro. Não estou habituado a divulgar estas conversas com o primeiro-ministro”, defendeu, na sua primeira entrevista desde que foi anunciada a reapresentação.

Ele enfatizou que se um jornalista lhe fizesse uma pergunta sobre o assunto, ele teria dito que “trata com o primeiro-ministro”, com quem falou “muitas vezes sobre o assunto”.

“Quero um novo modelo do SEF”, disse Marcelo, lembrando que já há garantia de que o ministro Eduardo Cabrita continuará.

READ  Acer lança novos computadores Chromebook a preços atraentes

Em resposta a uma pergunta sobre se a manutenção do ministro estava em jogo, ele disse em resposta a uma pergunta sobre a pergunta: “O primeiro-ministro, que goza de total confiança, respondeu, e o ministro não renunciou.”

Além disso, recusa-se a “antecipar o julgamento perante os tribunais”.

Na véspera, o Presidente da República defendeu a substituição do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) por “outro”, caso se confirmasse que os ataques ao ucraniano Ihor Humenyuk, que provocaram a sua morte, correspondiam ao “modus operandi” que utilizou para este órgão da polícia criminal.

Avisos na TAP e Novo Banco

Na TAP, defendeu a continuidade do que é “um vínculo com as sociedades portuguesas”. Mas Marcelo alertou que “a reestruturação será necessária e o preço da reestruturação deve ser pago”.

O Presidente concordou com António Costa quando considerou que a decisão de reestruturação cabe ao Governo e não à Assembleia da República. Mas pode ter uma “opinião se tiver implicações orçamentárias”.

Em seguida, Marcelo deixou cartas ao Parlamento devido à auditoria das contas do Novo Banco, que foi solicitada ao SAI. E avisou que “a decisão foi tomada por quem a deveria tomar. Não pediram parecer do Presidente da República” e “O Conselho Fiscal tem limites”.

Atrasando a vacina

Em seguida, Marcelo falou sobre a epidemia, assumindo suas responsabilidades, e disse: “Fui eu que tomei a iniciativa de anunciar o primeiro estado de emergência”. Diante da escassez de vacinas contra a gripe após garantias que quem quiser a vacinação pode, o presidente disse que confiou nas garantias da ministra Marta Timido.

Além disso, ele diz que conversou com empresas farmacêuticas e passou a defender que não deve haver expectativas excessivas sobre as vacinas contra o COVID-19. Ele ressaltou que “há vacinações tardias … não as temos em janeiro”. Já o tempo da campanha de vacinação pode durar um ano inteiro devido à necessidade de duas doses por pessoa. Não devemos criar grandes expectativas, não basta vacinar e resolver o problema.

READ  A Apple continuará operando remotamente até junho de 2021

“A vacina da Pfizer é um processo longo que pode durar até o final do ano”, afirmou.

Em relação à pandemia, Marcelo admite que está preocupado com o impacto no comparecimento. “É uma questão que me interessa”, disse ele, referindo-se a uma iniciativa legislativa que “aumenta a oportunidade de votação pessoal em uma data antecipada”.

Além disso, considerou-se que “todos os candidatos presidenciais” deveriam “comparecer à próxima reunião” no Infarmed em Lisboa.

“Soares não se repete”

Marcelo acabou baixando o limite de votação no dia 24 de janeiro. “Ele pode ter muitas falhas”, disse ele na entrevista, mas não é “estúpido” ou “louco”. É por isso que não espero os 70% que Mário Soares tinha em 1991.

Sobre o ex-Presidente da República, ele disse: “Não se repete, ninguém teve seu passado antes da revolução e depois da revolução”.

‘Em construção’

No entanto, ele argumenta que “dadas as pesquisas recentes, o direito está em construção”. O centro-direita precisa ser resolvido “agressivamente”.

Por sua vez, ele diz que não é um “líder de facção” contra a esquerda, e não foi eleito para isso.

Além disso, ele criticou o papel que outros partidos atribuem a Shega, cujo líder está concorrendo à presidência. Ele advertiu que as outras forças da direita e da esquerda “poderiam aumentar o peso deste partido, tornando-o o centro de seu sistema de estratégia e contando com o próprio partido”.

Ele vai assumir o governo de direita o suficiente

No entanto, ele reconhece o empoderamento do governo da Diretoria de Segurança Pública, que conta com o apoio de Shiga. Ele disse: “Não vejo razão constitucional para não assumir um governo apoiado por Shiga”. E “o presidente da república não pode discriminar Shiga”.

READ  Tudo sobre o Snapdragon 888: o Snapdragon mais poderoso de todos os tempos

Além disso, insistiu que não houve interferência na solução correcta encontrada nos Açores, visto que o partido de André Ventura se aliou ao PSD.

Written By
More from Arzu

Tabela de jogos das oitavas de final, quartos e meias-finais da Taça de Portugal

A loteria aconteceu na quarta-feira. Confira os jogos das oitavas de final...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *