Salvador Sobral, ou como passar de bestial a besta numa fracção de um peido!

Salvador Sobral, ou como passar de bestial a besta numa fracção de um peido!

Por Sandra Marques de Paiva / Opinião / quarta, 02 agosto 2017 10:04

Antes do festival da Eurovisão, nunca tinha ouvido falar do Salvador Sobral. Também não sou seguidora do festival per se, mas o burburinho era tanto que tive de me actualizar. Foi o meu marido que me pôs a ouvir a música que estava a levar Portugal a um patamar nunca antes alcançado na Eurovisão.

Ouvi a música com toda a minha atenção - uma letra simples e fácil de decorar, uma voz suave e doce e uma melodia que me fez lembrar as canções de embalar. Gostei. Não é extraordinária, mas é bonita.

Dos poucos que elogiavam a prestação de Salvador Sobral, a maioria criticava-o de uma forma brutal que ia do deficiente mental a drogado. Foi preciso Meryl Streep elogiá-lo para cair nas graças dos portugueses. Pois se há coisa que faz o povinho delirar, é ver Portugal reconhecido "lá fora".

Salvador Sobral ganhou o Festival Eurovisão da Canção!

Que gajo bestial. Seguem-se então as romarias do costume para os concertos dele, todos o aplaudem e o adoram até acontecer uma das maiores tragédias beste país, em Pedrogão Grande, que originou o concerto solidário "Juntos por Todos", transmitido em simultâneo em todas as telivisões portuguesas, caso inédito e que, na verdade, ficou nas cinzas do desinteresse. Pouco importa a sua finalidade ou o facto de terem conseguido angariar 1 milhão de euros. O drama, o horror, porque o Salvador Sobral, que até considero um rapaz sensato e solidário, só que nada habituado à fama e ao que ela traz, tentou fazer uma piada que no meio tinha a palavra peido! Cai o Carmo e a Trindade e lá voltou ele a ser deficiente mental e concerteza que estava drogado. Não há outra explicação para tamanho ultraje.

Em segundos, as pessoas passaram do modo solidariedade ao modo ódio, espalhado nas redes sociais.

Quando é para dizer mal, está tudo pronto. Tenho a certeza que as pessoas que se ofenderam tanto, são as mesmas que não contribuiram com um único euro.

Todos têm o direito de achar que o comentário foi inconveniente e de não gostarem, só não percebo é o linchamento público carregado de raiva e frustração. Menos minha gente, muito menos.

Agora analisemos o que, provavelmente, o Salvador Sobral deve sentir (sim, ele sente, ele é uma pessoa como as outras), tendo em conta que a qualidade do seu trabalho interessa pouco ou nada, comparativamente à sua popularidade. Deve ser trsite. Eu acho.

 

Ao menos, ele ajudou com o seu trabalho e doando dinheiro. E vocês, marretas do Facebook? Fizeram o quê?

Deixe um comentário

Please publish modules in offcanvas position.