Hermínio Loureiro | "Há um casamento feliz entre Oliveira de Azeméis e o Futsal"

Por / Entrevistas / segunda, 31 agosto 2015 00:00

No último fim de semana, Oliveira de Azeméis foi palco das Supertaças Nacionais de Futsal. Hermínio Loureiro garantira casa cheia, e os adeptos corresponderam. Mais uma missão cumprida com êxito, no que diz respeito à organização de grandes eventos desportivos na cidade. Em discurso direto, o autarca revela vontade de assumir o Europeu de Hóquei em Patins, no próximo ano.

Ontem, a Novasemente, de Espinho, venceu às futsalistas da Quinta dos Lombos (7-1); e o Benfica também ergueu o troféu, arrancado a ferros ao Fundão. Mas não são só os jogos que ficam para a história. O Município que tem à frente da edilidade um confesso apaixonado do desporto voltou a mostrar-se à altura das expetativas das entidades desportivas que procuram organizações de qualidade.

Em entrevista, Hermínio Loureiro fala da importância destas iniciativas na promoção local e destaca a grande diversidade desportiva de Oliveira de Azeméis.

 

O Futsal não era, até há pouco tempo, uma modalidade muito mediática. Quando é que a autarquia se apercebeu que essa realidade ia mudar?

Foi um risco que decidimos correr. E aqui tenho de destacar a visão do dr. Pedro Marques, vereador do Desporto. Ele convenceu-me da importância de assegurarmos a organização do Mundial Feminino em 2012.

A partir desse momento criou-se uma empatia muito grande entre os responsáveis do Futsal e a cidade, sendo certo que a modalidade tem também uma expressão muito razoável no nosso concelho. Há aqui um casamento feliz entre a população de Oliveira de Azeméis e o Futsal.

 

Mesmo dentro de portas, é um desporto que se vive com intensidade ao longo do ano, devido ao número de equipas existentes…

Neste momento temos quatro clubes de Futsal no concelho – o Futsal Clube de Azeméis, o GCR Ossela, o Azagães e a PARC. No último ano destacaram-se dois: o FC Azeméis venceu tudo o que havia para vencer em seniores, nos campeonatos da Associação de Futebol de Aveiro; e o GCR Ossela também mostrou todo o seu enorme potencial ao nível das camadas jovens.

Mas todos trabalham a vertente da formação desportiva. E ao captarmos eventos como o do passado fim de semana, estamos a proporcionar a esses jovens amantes e praticantes da modalidade a possibilidade de verem de perto aqueles que são os seus ídolos, de conhecerem ao vivo toda a envolvência do Futsal a nível profissional.

Nós gostamos de organizar eventos desportivos, mas desde que tenham, depois, repercussão na cidade e no concelho e na nossa população. Não é só organizar o evento desportivo. Há mais do que o próprio evento. 

E por isso é com satisfação que registamos que os nossos clubes estão mais organizados e estruturados; ou que os oliveirenses praticam mais desporto. Que é o que queremos, pois temos a noção clara que a prática desportiva é o instrumento de saúde pública mais barato. Quantos mais jovens tivermos a praticar desporto, mais e melhor saúde teremos no futuro.

 

Sente que a aposta neste tipo de eventos tem uma repercussão positiva em termos locais?

Não tenho quaisquer dúvidas de que é possível, através do desporto, promovermos os territórios. Os grandes eventos desportivos vão muito para além do desporto. Têm um grande impacto no retorno económico. Se por um lado há a valorização da vertente desportiva, por outro há a valorização e projeção da imagem territorial numa lógica nacional e, mesmo, internacional.

Ainda hoje o Mundial de Hóquei em Patins de 2003 é lembrado não só por ter sido o último em que Portugal se sagrou campeão do Mundo, mas pela qualidade da organização e a qualidade das instalações – o pavilhão da União Desportiva Oliveirense.

Agora temos, por exemplo, vontade de organizar o Campeonato da Europa de Hóquei em Patins em 2016. A nossa selecção precisa de jogar em Oliveira de Azeméis, até porque sabemos que precisa de jogar cá para vencer um título (sorriso).

Aqui fica também a nossa disponibilidade para trabalharmos com a Federação Portuguesa de Patinagem. E a mensagem para presidente da Federação, Fernando Claro: Quer ser campeão da Europa? Organize o Europeu em Oliveira de Azeméis. Nós garantimos a casa cheia e o apoio à nossa seleção. Além de que temos aqui a tradição de vencermos os jogos e de darmos alegrias aos portugueses.

 

O concelho tem também como mais valia o facto de possuir um bom parque desportivo...

E neste momento estamos a apoiar a construção do Centro de Atletismo do Núcleo de Atletismo de Cucujães e temos em curso as obras para o Campo de Jogos Municipal, com relvado sintético, também em Cucujães. A nossa oferta, do ponto de vista do parque desportivo, continua a ser reforçada.

Temos outras freguesias que querem ver substituídos os campos pelados por relvados sintéticos. E vamos, até ao final do nosso mandato, ter um plano estratégico de investimentos relativamente a essa matéria.

 

Quando se fala nas infraestruturas desportivas no concelho, é quase impossível não referir a questão do Estádio Carlos Osório…

É o estádio da Oliveirense, que é o clube mais representativo do nosso concelho. Tem, atualmente, necessidades identificadas e estamos a estudar, em conjunto com a UDO, uma solução.

Hoje discute-se muito se os estádios devem estar nos centros urbanos ou se se deve criar uma nova centralidade do ponto de vista desportivo. Estão previstas no PDM outras zonas para construção de infraestruturas desportivas, mas a direção do clube tem mostrado vontade de requalificar o atual estádio.

Embora não haja, aqui, certezas absolutas, o que importa é que a Oliveirense é a dona do estádio e quer requalificá-lo. Portanto nós teremos de encontrar mecanismos de financiamento para podermos dotar a UDO com uma infraestrutura desportiva de qualidade para a prática do Futebol uma vez que, efetivamente, as questões de comodidade e a qualidade das instalações não são, neste momento, satisfatórias.

Mas estamos atentos e acompanharemos, seguramente, o esforço que a Oliveirense decidir fazer para colmatar esta lacuna.

 

Portanto, apesar do parque desportivo do concelho ser já bem apetrechado, há ainda trabalho por fazer…

Continuaremos, sim, a investir na construção de infraestruturas desportivas, não por prazer ou vaidade, mas por necessidade. Não é capricho. Requalificámos, este ano as piscinas de La Salette, porque a utilização assim o justificou. O mesmo aconteceu com o Pavilhão Municipal Prof. António Costeira, ou com o complexo de Piscinas Municipais, uma referência na região.

E há um conjunto de investimentos que até ao final do nosso mandato pretendemos concluir, pois queremos reforçar ainda mais o slogan Azeméis é Desporto.

Deixe um comentário

  • Popular
  • Comentários

Please publish modules in offcanvas position.