Ricardo Tavares: “A política não é uma profissão”

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Ricardo Tavares pega na candidatura social-democrata à cadeira grande da Câmara Municipal depois de ter sido vice-presidente dos anteriores executivos. Por isso, traz na bagagem a “experiência”.

Ricardo Tavares tem 46 anos e exerce funções autárquicas na Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis desde 2005. Antes fora, durante oito anos, membro da Assembleia Municipal de Oliveira de Azeméis pelo Partido Social Democrata (PSD). Exerce funções autárquicas desde 1996. Com formação na área do Direito, é o cabeça de lista do PSD à presidência do executivo oliveirense.

“Estou empenhado em exercer funções no contexto de um novo desafio e espero que os oliveirenses, que conhecem o meu trabalho executivo de 12 anos, reconheçam ou não esse mesmo trabalho”, começa o candidato. Ricardo Tavares exerceu funções nos âmbitos do urbanismo, do trânsito, da mobilidade, das obras municipais, das obras estruturantes, dos transportes e da energia, entre outras. “A minha candidatura surgiu naturalmente, decorrente de uma mobilização não só da militância de base do PSD, mas também da sociedade civil, que me levou a aceitar prontamente este convite”, explica. O social-democrata afirma que aquilo que o move é o gosto pela sua terra e pelo concelho, considerando que a sua carreira política não é propriamente uma carreira, nem uma profissão. E realça a sua experiência de 12 anos na Câmara.

A experiência como trunfo

“O que posso oferecer aos oliveirenses é a minha experiência. Os oliveirenses saberem com o que contam com a minha candidatura e com o que não contam com a candidatura dos meus colegas candidatos”.

Para Ricardo Tavares, o concelho de Oliveira de Azeméis é um concelho com várias carências e carências que nunca vão ser resolvidas ao longo da vida por ninguém. Mas há uma delas que o candidato não renega: a água e o saneamento. “Até porque tenho detido esse pelouro e essa tutela ao longo dos últimos anos. Esse ponto tem sido tratado pelos outros candidatos de uma forma um pouco ligeira, atendendo à responsabilidade que está em cima da mesa, com a concessão e o contrato de concessão que foi celebrado entre o município de Oliveira de Azeméis e a concessionária Indaqua”. Perguntado se esse não teria sido um contrato ruinoso, Ricardo Tavares não concorda. “É um tipo de serviço que exige uma resposta especializada. O que nós ouvimos e sentimos da população, em termos de prestação de serviço, é que este não tem sido inferior ao serviço que era prestado pela Câmara Municipal. Este tipo de serviço é prestado com mais eficiência pela concessionária do que pelo serviço público”, sublinha. O candidato esclarece igualmente que têm sido empreendidos esforços no sentido de executar uma alteração ao plano de investimentos da Indaqua. Segundo Ricardo Tavares, tal alteração irá legitimar a celebração de um aditamento ao contrato de concessão, porque a câmara se candidatou ao programa POSEUR, que vai permitir um financiamento comunitário de cerca de três milhões de euros, que irá permitir que várias freguesias do concelho possam ser abastecidas pela rede de água. “Iremos lançar os procedimentos dos concursos para essa realidade, que no fundo vai permitir a cobertura pela rede pública de água das freguesias de S. Martinho da Gândara, de Travanca, de Ul e do Alto de Cucujães. Vai portanto permitir que mais cerca de 12% ou 15% da população concelhia possa aceder à rede pública de água”. De acordo com o social-democrata, no âmbito dessa alteração ao plano de investimentos, existem mais freguesias, como Fajões, Pindelo, Nogueira do Cravo e Ossela, que também vão ser dotadas de algumas ruas da rede pública de abastecimento de água.

"Estar ao pé das empresas não é só criar zonas industriais"

No que toca às zonas industriais, Ricardo Tavares classifica como “mito” a alegada necessidade de estas serem em maior número. “Não conheço nenhuma empresa que tenha vindo à Câmara Municipal pedir condições para se instalar em Oliveira de Azeméis e que a Câmara não tenha criado condições para se ela instalar. Estar ao pé das empresas não é criar zonas industriais. É estar sempre disponível para as ajudar e apoiar quando elas precisam”.

O Parque Escolar está bem e recomenda-se desde que passou para a alçada da Câmara Municipal? “Eu penso que sim”, classifica Ricardo Tavares, que realça que existe em Oliveira de Azeméis “um vértice que tem de estar em sintonia, que é a indústria, a educação e a Câmara Municipal”. Para o candidato, existe uma interligação entre estas realidades. “A Escola Aveiro Norte está muito virada para licenciaturas e formação em áreas vocacionadas para as necessidades das nossas empresas. A ESEnfCVPOA tem formado centenas e centenas de alunos que têm reconhecimento por essa Europa fora”. Outro objectivo de Ricardo Tavares será fazer com que os jovens universitários se fixem mais em Oliveira de Azeméis. Outra das apostas é a reabilitação urbana.

Falando de outras áreas, Ricardo Tavares destaca ainda a acção social, na qual “tem sido feito um trabalho extraordinário”. Para o candidato, “houve da parte da Câmara toda uma estratégia junto das instituições no sentido de proporcionar todas as condições às famílias mais carenciadas e às pessoas idosas e de lhes dar o máximo de conforto”. No desporto, o social-democrata vinca “todo o trabalho que tem sido realizado através de eventos e o apoio da Câmara dado à formação”. Tudo isso são estratégias positivas “que queremos continuar a assumir”, diz.

Aveiro

Nublado
16°C
S a 17.70 km/h /96%
Sábado
11°C / 18°C
Domingo
8°C / 17°C
Segunda
10°C / 18°C
  • Popular
  • Comentários

Please publish modules in offcanvas position.